quinta-feira, 12 de julho de 2012

Childish.. :) [1]




Bem como ainda não estou habituada a isto de blogs e afins vou escrever uma coisa mais calminha, sobre coisas fofinhas, mas que no meio de muita palhaçada por vezes são as que nos dão as lições mais valiosas.
Vou falar deeee.....  desenhos animados.. *.*



"À Procura de Nemo" -  "Finding Nemo" [2003]

Eis um filme aparentemente banal, mais uma das histórias da Disney onde se tenta passar uma mensagem bonita e uma moral que seja de fácil interiorização para as crianças. Embora tudo isso seja verdade, e a história possa ser simplesmente infantil, consegue dar várias noções bastante sérias sobre a vida que nos rodeia.


É bastante desconcertante conseguir ver estes filmes infantis e dar-lhes significado na nossa própria vida. Significados demasiado adultos. Acho que é aí que sabemos que já não somos bem crianças. Conseguir ver para além desta história querida e envolvermo-nos nela a um nível diferente, de ver mais do que um simples pedido de "não abandono" se assim lhe quiserem chamar nessa cena representada na imagem a preto o branco... Deixa, a mim pelo menos, a pensar um bocadinho. 





Esta segunda imagem com a Dori não podia falhar, não tanto pela mensagem aí inscrita [bastante fofinha por sinal.. :)] mas por homenagem, mais que justa, à melhor personagem deste filme [embora as tartarugas também devessem ser lembradas, não são tão relevantes.. "Agarra-te à casa manoooo" :) ].


Sofre de "memória curta", tem uma bela amizade com tubarões em terapia de peixe - inclusivé participa nas reuniões: "Os peixes são nossos amigos.. Não comida.." :) - e fala baleiês.. Como seria possível uma personagem mais perfeita que esta? :)






"The Simpsons" [1989]


Não faz parte das cenas fofinhas que falei no início mas são desenhos animados absolutamente fantásticos e não podiam ser deixados de lado [como alguns outros que serão abordados mais tarde, nas sucessões deste post :)] .


Matt Groening é um nome que já faz parte da história mundial. Principalmente por ser o criador desta série que actualmente só vai na vigésima terceira temporada, com mais de quinhentos episódios, mas também por outra série a meu ver bastante interessante - Futurama.


Já quase todos os grandes actores, as grandes bandas, as grandes personalidades deste mundo têm a sua versão Simpsons, tendo aparecido na série por algum episódio em que fazia sentido a sua presença, ou não.





A imagem de baixo serve para chocar os mais distraídos e menos conhecedores desta bela série [confesso que eu própria só conheci esta imagem há bem pouco tempo..] na medida em que... Estes são os Simpsons iniciais. Sim... Estas figuras estranhas são os Simpsons que julgavam que conheciam. :) Ou pelo menos foram, outrora. As figuras foram sofrendo adaptações até chegarem ao aspecto pelo qual as reconhecemos hoje em dia. Temos uma creepy Maggie, uma Lisa com uma boca demasiado semelhante à do Felipe [amigo da Mafalda.. :) ], a Marge antes de utilizar aquele champô maravilhoso que agora lhe deixa o cabelo naquele cilindro perfeito, Homer com a cara ligeiramente mais magra [low carb diet.. dizem que resulta.. :)], e por fim, Bart, sendo a maior característica, bem, o ser, maior. :)








 Princesas da Disney - Disney Princesses [1937]

[Por ter começado a meter corzinhas fofinhas de forma temática.. este tinha de ser cor-de-rosa.. não é que seja muito do meu agrado.. mas faz sentido vá .. (e mesmo assim meti um rosa mais lilás..) ] :)

A primeira das princesas foi Branca de Neve [eheh.. :) ] em 1937, e a partir daí outras foram aparecendo.


Cinderella, a eterna perdedora de sapatos, que faz as meninas sonharem com sapatinhos de cristal trazidos por príncipes de cavalo branco;


Aurora [que eu não sabia quem era confesso.. maaaaas se houver quem esteja na mesma situação, é a Bela Adormecida - o que faz sentido, a moça não devia chamar-se Adormecida por apelido do pai.. :) ]; 

Ariel - a pequena sereia (Little Mermaid) - que embora tenha uma história querida e engraçada, é também bárbara e absolutamente estranha e maquiavélica - entenda-se que eu gosto bastante da Ariel.. só que pronto.. :); 

Bela [Belle], a típica história para aprender que "a beleza interior é o que importa", mas é realmente fofinha ; 

Jasmine, acaba por ser das princesas menos conhecidas, tem uma história um pouco diferente mas é mesmo engraçadinha a moça.. :) ;

Pocahontas, a princesa mais "selvagem", índia, mas de longe a mais fofinha e interessante [+.+] ;

Mulan é a mítica princesa guerreira, literalmente, deve ser a que tem mais "garra", ensina as meninas e serem menos meninas e a irem à luta :);

Tiana e Rapunzel são as mais recentes sócias deste clube. Respectivamente são a princesa cujo fofinho é um sapo, e a senhora cujo cabelo na realidade lhe traria problemas de saúde extremamente aborrecidos, e dolorosos. 

Uma das coisas que todas estas princesas têm em comum, e isso vem muito da dinâmica Disney, é a moral de cada história: desde ensinar que não se deve tratar mal as outras pessoas, porque os "maus" nunca são felizes nos finais destas histórias [aqui devo dizer que se nota perfeitamente que a máxima de vida de Walt Disney era, e passo a citar: "Karma's a bitch, baby" :)], até a máximas de amar a Natureza, e lutar pelos sonhos, ser uma boa criança e ser feliz.. :)

Um aspecto que acho que deve ser salientado no meio de toda esta fantasia é o de que para além de todas estas histórias fazerem girar o coraçãozinho de muitas meninas pequeninas [e alguns meninos também] também transmitem uma mensagem de igualdade que está, a meu ver, bem feita. Podemos encontrar vários tipos de princesas, porque as pessoas são diferentes, e as princesas também. :) Mas a mim agrada-me o facto de conseguir encontrar princesas de várias cores, de diferentes culturas, com personalidades diferentes provenientes de vidas diferentes. Claro que temos sempre as típicas princesas, queridas, fofinhas, delicadas, prendadas, a imagem da "mulher ideal" que ainda hoje é comummente aceite em sociedade. A maior parte destas princesas pertencem a este grupo, o que consigo compreender, é a ideia que tentam incutir nas pobres mentes inocentes que dali aparentemente só retém o brilho dos vestidos e das tiaras. A Bela, a Aurora, mesmo a Ariel, mostram o glamour das princesas através dos seus vestidos, jóias, sapatos, tudo muito "shiny blink blink". Mas depois temos outro tipo de princesas: temos princesas guerreiras, lutadoras, que ganham pela sua simplicidade e nobreza de alma. Eu confesso sempre preferi este segundo grupo, menos fútil e pinkie que o anterior. Temos Mulan, literalmente a princesa guerreira no meio de todas as outras, não se pode dar ao luxo de ficar a dormir numa torre à espera de um príncipe, ou de andar à espera de um sapatinho de cristal a chegar de charrete. E essencialmente quero falar da minha princesa preferida de entre todas elas: Pocahontas.. :) Vejamos, é uma índia, vive em comunhão com a Natureza e por isso, na minha perspectiva, consegue ser aquela que realmente olha à sua volta e vê a beleza daquilo que a rodeia; consegue ser extremamente lutadora, destemida [também assim a obrigam... se não perceberem vejam o filme.. :)] mas ao mesmo tempo ser fofinha, e a princesa mais hardcore no meio delas todas. 
[qualquer tipo de referência à minha pessoa que envolva "selvagem" ou afins em nada tem a ver com justificação para o meu apreço pela Pocahontas.. :)]     











Calvin & Hobbes [1985]

Infelizmente muitas pessoas não conhecem esta maravilhosa banda desenhada criada por Bill Watterson. 

Trata-se de tiras cómicas que envolvem o Calvin, um rapazinho de seis anos, e o seu melhor amigo, o seu tigre de peluche, Hobbes.

Embora a ideia seja toda um bocado esquizofrénica posso garantir que é das melhores bandas desenhadas que já li. 

Para além de ser extremamente engraçado, tem um gostinho a crítica e a rebeldia [digamos que infantil para não ferir susceptibilidades :)] que aprecio bastante. A maneira como o Calvin, sendo um puto de seis anos, consegue ver o seu mundo é absolutamente fascinante. Tem uma mente brilhante e fértil, cheia de ideias a pôr em prática com Hobbes. Não são poucos os episódios de sonhos que ambos concretizam, de ideias absolutamente geniais e / ou loucas onde os dois conseguem sempre ter aventuras de meter inveja, pelo menos a algumas pessoas, como eu. :)

Para além de tudo isso, a cumplicidade entre os dois é total [sim eu sei que - supostamente - o Hobbes é simplesmente uma criação do Calvin, mas também só quem nunca leu com real atenção os livros é que pode afirmar uma coisa dessas :) ]. São aqueles amigos que todos queremos ter, principalmente na infância: alguém com quem partilhar aventuras, ideias, experiências, alguém com quem façamos as maiores tropelias, as maiores loucuras, e segundo o nosso desejo essa ligação manter-se-ia por muitos e longos anos. Não seria apenas para nos metermos numa caixa de papelão e ir a Andrómeda, mas também para começarmos a nossa vida mais tarde com um braço sempre pronto a nos amparar. No fundo é o que todos desejamos. Me included.. :)

Sayonara my good friends.. :)








Sem comentários:

Enviar um comentário