quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Childish [6]



Joana e o Dragão

Ninguém conhece estes desenhos animados, para grande tristeza minha. Mesmo no maravilhoso mundo da internet parece que este programa foi eliminado. Verdade seja dita que é um programa que passava na RTP2, daqueles à hora de almoço, e que provavelmente só eu é que via, à mistura com umas criancitas mais pequenas a almoçarem em casa das avós, mas era bem giro.

Descobri ainda assim um mini resumo sobre isto: supostamente é um programa em 3D [muito evoluído..], a Joana tem 12 anos, século XII, e quer ser cavaleira - "O sonho de Joana era poder fazer parte do esquadrão de cavaleiros do Rei mas, para isso, terá de provar que é muito boa."

Agora eu... Bem, não é muito dificil de perceber porque é que eu gostava, era sobre uma moça - a Joana -  que tinha, imagine-se lá a coincidência, um dragão. Aquilo era mais ou menos numa espécie de Idade Média, e ela, sendo uma menina, não devia saber usar uma espada, e lutar em condições, e ser mesmo interessante como ela. Mas ela queria mesmo ser uma cavaleira..  :)

Basicamente ela fala com o Dragão e vai dar voltas às costas dele. São melhores amigos, contam um com o outro, para tudo mesmo, até porque lutar e ser bem valente e lutar contra tudo às vezes custa, ter um dragão torna a cena mais fácil, além de muito mais awesome.. :) E pronto.. acho que é fácil de ver porque gosto: tem uma moça, digamos, pouco convencional, cheia de força e garra, que sabe o que quer e faz aquilo que gosta. E depois temos o lado fofinho com a amizade e as coisinhas engraçadas que acabam por ser passadas indirectamente nestes desenhos animados.. :)








Patinho

Ora, era com este pequeno amigo que era suposto irmos para a cama quando éramos pequenitos [e verdade seja dita que ninguém ia a essas horas, que ainda me lembro muito bem que isto passava na RTP2, depois dos desenhos animados, lá para as 20h30... :) ].

Eu não sei rigorosamente nada sobre este patinho, para vos ser muito sincera. Apenas que via, religiosamente, o moço a cantar que eu tinha de ir lavar os dentinhos, dar um beijinho à mamã e ir para a caminha.. :)

Uma coisa boa que tinha o Patinho é que tinha a música base e depois tinha músicas especiais em determinadas alturas do ano, especialmente no Natal.. E as músicas eram bem giras.. e tinham patinhos todos alegres, a cantar e a rir.. era giro.. :)

Para além do mais, eu gostava mesmo do patinho, e saiam umas revistas num jornal e eu tinha-as todas. Tinhas patas bailarinas, vários patinhos engraçados lá pelo meio e, e é importante referi-lo com atenção, o Patolas, o pato mais estiloso do pedaço.. :) Era o moço que na música toca xilofone, e leva com uma bengala.. :) E tens um dentes mesmo de pato.. :)











Pinky e Brain 

É assim, este é dos desenhos animados que eu mais gosto. Ainda hoje, sempre que apanho a dar na televisão, o Pinky e o Brain são reis e senhores. 
Antes de mais dizer que o Pinky e o Brain são dois ratinhos geneticamente modificados, mas que na altura em que iam ser apresentados como fenómenos, verdadeiros casos de sucesso, a coisa não correu bem, eles foram como que esquecidos, e os seus criadores desacreditados.
Primeiro, o Pinky é uma criatura imcompreendida, ele é bom moço, um pouco confuso talvez, mas tem bom coração, é o que importa.. :)
Depois temos o Brain. O Brain é um rato genial - esta frase é tão linda.. :) Basicamente ele tem uma certa revolta com o mundo e quer conquistá-lo, ter o poder de governar o mundo como bem quiser. E todas as noites o tenta fazer, com a preciosa ajuda do Pinky, e sempre de maneiras diferentes. Acho que é isso que mais gosto nestes bonequinhos, a quantidade de planos que conseguem engendrar, todos diferentes, e se querem a minha sincera opinião, absolutamente geniais. Vá, dentro do mundo dos desenhos animados. Há um episódio em que eles criam uma segunda Terra, exactamente ao lado da nossa, em papier mache [depois as pessoas acabam por ir todas para o outro mundo, e este fica deserto mas depois há uma explosão e esta Terra vai à vida e ficam todos no mundo de papier mache.. :)].

E pronto.. são mesmo fixes os episódios, todinhos. Não há um único que não seja giro, em que não haja planos brutais e não nos partamos a rir... Eu pelo menos..  :)












Teletubbies

A minha pessoa teve uma fase, enquanto andava na creche é importante salientar, em que uma das suas características era andar sempre a assobiar. E imaginem lá o que era mais frequente. Pois que era o genérico destes 4 moços / moças - nunca percebi  muito bem.

E pronto, 4 "seres" com nomes engraçados: Tinky Winky, Dipsy, Laa-Laa, Po [e não consigo ler isto sem ser no ritmo certo.. :) ].


Os episódios não têm grande história, são quatro seres engraçados, coloridos, que comem uma mistela cor de rosa [nunca percebi o que era aquilo, e acho que nem tenciono saber..] e andam por lá a saltitar no seu mundinho cheio de relva, e um Sol absolutamente creepy com uma cara de bebé... Embora possa ser engraçado na abertura, o bebé lá no Sol e não sei o quê, ver a imagem disso é um bocado esquisito.

O melhor no meio daquilo tudo é que havia aquela musiquinha meia estranha, mas que ficava no ouvido. De resto a cena era simplesmente básica. Convenhamos que o programa era para crianças bem pequenitas, por isso não podia ser algo muito elaborado. Para o género, na altura, parecia-me mesmo bem.. :)


Para quem via os Teletubbies em pequeno e nunca mais viu, aconselho seriamente que se mantenham assim. Ver os Teletubbies agora pode ser deveras perturbador às nossas mentes tão ingénuas quando assistiam a tais programas. Eu nunca mais vi um episódio, apenas o genérico. Mas só isso relembra alguns pontos do que se podia ver com os nossos amiguinhos coloridos. As coisas, além de já não terem o fascínio infantil que tinham, já não nos aparecem tão interessantes e utópicas como antes. É pena, não só com estes, mas com muitos outros, que sendo mais "infantis" deixam de nos dar aquele gozo brutal que nos faziam levantar mais cedo das nossas belas caminha.. :)














Sem comentários:

Enviar um comentário